Loading
Carregando...

acoes | 21 fevereiro 2018

Pesquisas no Atlântico

FacebookTwitterWhatsApp

Fruto de parceria na gestão de Gilberto Kassab no Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o Centro Internacional de Pesquisas Atlânticas (AIR Center) é uma iniciativa liderada pelo governo de Portugal, que pretende utilizar o posicionamento estratégico do arquipélago dos Açores como um centro internacional de desenvolvimento científico e tecnológico sobre o Oceano Atlântico.

A proposta é construir uma organização científica internacional, abarcando uma série de instituições de ciência, tecnologia e inovação de diversos países para a promoção de uma abordagem integradora do conhecimento sobre mudanças climáticas, sistemas de energia, ciências oceânicas, espaço e ciências de dados no Atlântico.

Além da localização geográfica estratégica, o centro de pesquisa tem infraestrutura para abrigar uma base espacial, instalações para medição de radiação atmosférica e um departamento de oceanografia e pesca. O Brasil deverá participar das pesquisas que serão desenvolvidas no AIR Center nas áreas de energia, mar, mudanças climáticas e observação da Terra. A parceria com Portugal em pesquisa espacial e oceânica, envolvendo o AIR Center, pode mudar o rumo da ciência feita no Oceano Atlântico. 

Não devemos desperdiçar as oportunidades de cooperação internacional que o Atlântico nos oferece. O oceano nos banha de identidade, progresso e ação.

Declaração de Belém

A implementação do AIR Center é um desdobramento da Declaração de Belém, plano científico construído por Brasil, África do Sul e Portugal, discutido em Lisboa em julho de 2017, que prevê o aprofundamento da cooperação em pesquisa oceânica.

Na esteira da Declaração de Belém, a União Europeia lançou edital no valor de 33 milhões de euros para financiar pesquisas no Oceano Atlântico. A chamada, lançada no âmbito do programa Horizon 2020, contempla pesquisadores brasileiros.

“De uma forma geral, a cooperação internacional efetiva e a articulação de forças entre os diferentes países, a circulação de experiências e conhecimento são benefícios da civilização e algo que deve ser ressaltado. Vamos trabalhar juntos, somar nossos potenciais e empreender esforços em busca do conhecimento e do desenvolvimento científico”, disse Kassab. “Poderemos avançar sensivelmente na coleta de bons resultados na medida em que tivermos essa unidade de esforços, que terá uma importante contribuição e um legado para a humanidade”, completou. Clique aqui para ler artigo.