Loading
Carregando...

noticias | 02 maio 2019

Abratel: migração de AM a FM foi vital para rádio brasileiro

FacebookTwitterWhatsApp

A gestão do ministro Gilberto Kassab à frente do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), no período entre 2016 e 2018, foi “um marco, um modelo a ser seguido”. A opinião é do presidente da Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel), Márcio Novaes, para quem avanços como a transição da TV analógica para digital e a migração das emissoras de rádio AM para FM só se tornaram possíveis “graças à atuação franca, sincera e inteligente do ex-ministro Gilberto Kassab”.

A Abratel representa emissoras de rádio e televisão de todo o Brasil e enfatiza ser uma instituição “focada em defender os direitos constitucionais do serviço público de radiodifusão, a liberdade de expressão e a viabilidade operacional das rádios e televisões”.

Na entrevista a seguir, Márcio Novaes destaca avanços – “a migração de AM a FM foi e é uma salvação para o rádio brasileiro” – e comenta os desafios a serem encarados pelo setor nos próximos anos.

O setor de radiodifusão tem papel estratégico para o país e relação transparente com o Poder Público, sem entraves provocados pela burocracia em excesso, correto? Como avalia o caminhar desta relação nos últimos anos?

Nós radiodifusores tivemos num espaço de dois anos e meio (entre dezembro de 2014 e maio de 2016) quatro ministros ocupando a pasta das Comunicações. Foi um período bastante difícil, seja em razão do tempo natural que cada um teve para ambientar-se aos temas do setor, seja em razão do pouco interesse demonstrado por pelo menos um ocupante do cargo. Isso nos preocupou muito, pois estávamos iniciando o processo de testes para o desligamento da TV analógica no Brasil.

Sabemos todos que o setor de radiodifusão tem importância e relevância no cenário nacional no que toca ao entretenimento, informação e integração nacional. O país fala a mesma língua sem ter perdido seus sotaques e culturas locais. Ao contrário, o Brasil se conhece mais graças a TV e ao rádio. O brasileiro hoje e ao longo das últimas décadas vem desfrutando de um serviço de altíssima qualidade em conteúdo e imagem e som. Com a TV digital, hoje a população tem acesso a uma TV que não deixa nada a desejar a qualquer país desenvolvido no mundo. O rádio tem sido nos últimos cem anos um grande companheiro de todos nós e mais que isso, a radiodifusão brasileira é o melhor antídoto às notícias falsas, as fake news.

A gestão de Gilberto Kassab no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações foi “um marco, um modelo a ser seguido.

Quais as principais demandas do setor hoje? Que avanços avalia terem sido alcançados nos últimos anos? E quais são as demandas principais e que não puderam ser ‘atacadas’?

O setor tem muitas e importantes demandas. Destaco duas: uma diz respeito a continuidade da digitalização da TV, ampliando o atendimento que foi executado até agora, para todos os municípios brasileiros através do saldo remanescente. Outra, o carregamento do middleware ginga – geração D. Esse instrumento possibilitará a tão desejada interatividade que a TV digital brasileira se propôs a entregar à população. Vamos cumprir isso.

Uma das principais ações do MCTIC na gestão de 2016 a 2018 foram os mutirões de migração de rádio de AM a FM. Qual a importância da iniciativa? Como impactou o setor?

A migração de AM a FM foi e é uma salvação para o rádio brasileiro. Estávamos com emissoras AM no país com baixa audiência e muitas delas com dívidas em razão do fraco faturamento. Tudo isso muito em parte pela injusta concorrência com as rádios FM, que têm qualidade de áudio muito melhor (estéreo). Portanto, a migração deu aos radiodifusores a oportunidade justa de migrarem e poderem concorrer em pé de igualdade no segmento. Foi uma ação brilhante e vital para o setor. Isso tudo veio ainda coroado pela flexibilização do programa “A Voz do Brasil”, outra ação que o MCTIC nos apoiou integralmente.

Kassab soube dar a liberdade e consequente agilidade que o setor precisava na hora certa.

Que avaliação faz do processo de implementação da TV digital no país e como se deram os debates deste processo?

A implantação da TV Digital no Brasil é um modelo mundial de sucesso absoluto. Sucesso com S maiúsculo mesmo. Imagina você desligar a TV analógica dos lares de mais de 130 milhões de brasileiros e não ter uma reclamação sequer. Isso, por si só, é um feito histórico. Prova de competência dos diversos setores envolvidos.

De uma forma geral, qual sua análise da gestão do MCTIC que se desenvolveu entre 2016 e 2018?

Tudo o que foi dito acima, um breve resumo dos enormes avanços do setor, só foi possível graças à atuação franca, sincera e inteligente do ex-ministro Gilberto Kassab. Ele soube dar a liberdade e consequente agilidade que o setor precisava na hora certa. Foi graças a esse espírito que permeou a gestão Kassab e de sua equipe gabaritada e atenta aos anseios de todos os setores envolvidos, que foi possível a construção desses resultados. Destaco ainda a transparência dessa gestão. As portas sempre estiveram abertas, em nenhum momento tive de pedir duas vezes para ser recebido pelo ministro ou qualquer membro de sua equipe. Considero a gestão desse período um marco, um modelo a ser seguido.

Fonte: PSD